Macapá - Amapá, 01 Outubro 2014
RSS Facebook Twitter

Polícia

POLICIA1-ENTERRO

A dona de casa Liliane Sobrinho da Costa, 36 anos, foi transferida para a enfermaria de pós-operatório do Hospital de Emergências de Macapá na segunda-feira, 29, após ter passado por uma cirurgia de emergência para colocação de pinos na região da bacia, braço e pernas que foram fraturados após atropelamento ocorrido na tarde de domingo, 28, no bairro Malvinas, em Porto Grande.


De acordo com o diretor do Hospital de Emergências, Regiclaudo Silva, Liliane não corre mais risco de morte. “Ela passou pelo procedimento cirúrgico de emergência e agora encontrasse sedada na ala de pós-operatório em observação. Ela ainda será submetida a uma segunda cirurgia na região do quadril onde sofreu uma fratura. Agora é cuidar da recuperação”, disse o diretor.

POLICIA1-VELORIO

"Meu nego, como estão às crianças?”. Foi essa a pergunta feita por Liliane Sobrinho da Costa, 36 anos, ao ver pela primeira vez no hospital o esposo Raimundo Nonato, na noite de segunda-feira. O marido foi ao hospital depois de ter enterrado no final da tarde, em Porto Grande, os filhos Gabriel e Diogo Costa Filho, de 5 e 8 anos.


A mãe continua sem saber da morte dos meninos vítimas de atropelamento. “Ela [Liliane] pergunta mais pela Kelly, de 12 anos. Acho que no dia do acidente ela viu somente a menina caída ao lado dela no chão. Não sabemos como contar sobre a morte dos dois meninos. Ela disse que quer fotos dos meninos pra saber que eles estão bem. Meu Deus, não sabemos mais o que fazer para esconder isso dela”, disse a cunhada de Liliane, Iza dos Santos, de 22 anos.

POLICIA4-1 VITORIA

Dor e revolta marcaram no final da manhã de ontem, 30, o sepultamento do corpo da pequena Vitória Cunha da Silva, de apenas 2 anos de idade, e que morreu durante um assalto ocorrido na casa onde ela morava com os pais, na Linha “F” do quilômetro 9, na zona Oeste de Macapá. O assalto ocorreu na tarde de sábado, 27.


Segundo informações da família, a menina foi torturada pelos assaltantes durante a ação criminosa. Os médicos revelaram que Vitória sofreu uma parada cardiorrespiratória em função do alto estresse a que ela foi submetida. A criança havia passado uma semana internada no Pronto Atendimento Infantil (PAI), e na véspera do assalto recebeu alta médica para se recuperar em casa.


“Ela estava com a saúde fragilizada e ao passar pelo terror que a família passou ela não resistiu e morreu, infelizmente”, disse uma vizinha que não quis se identificar com medo dos bandidos. Os moradores daquela região afirmam que todos os dias as propriedades estão sendo invadidas por criminosos, jovens em sua maioria, e que esses bandidos estariam vindo do bairro Amazonas. Eles pediram apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope) para atuar naquela região.

 

O assalto
O agricultor Edicarlos Costa, 35 anos, a esposa dele, Maria Cleidiane, de 29, e os três filhos do casal, estavam em casa por volta de 16h quando três criminosos armados com facas e revólveres invadiram o imóvel rural pelos fundos.


Os assaltantes exigiam dinheiro e uma suposta arma que eles acreditavam que o agricultor tivesse em casa. Ao dizer que não tinha valores em casa o agricultor e a família passaram a ser torturados. “Eles pegavam a Vitória pelos cabelos e jogavam contra a parede. Assim aconteceu com as outras crianças. Fomos humilhados dentro do nosso próprio lar. Agora estou enterrando o corpo da minha menina que esses criminosos mataram”, resumiu aos prantos o agricultor durante o sepultamento.
Até agora ninguém foi preso.

Pagina 1 de 63